Mudança de sexo

Na marca do Pênalti

Fogão deixa o Bangu de quatro

21/04/12 22:55
atualizado em 22/04/2012 01:56

Loco perde pênalti de novo, mas faz três gols na vitória por 4 a 2 e garante o Glorioso na final da Taça Rio

Como sempre acontece com o Fogão, o sofrimento marcou presença ontem, no Engenhão, na primeira semifinal da Taça Rio. O Alvinegro jogou bem e despachou o Bangu por 4 a 2, mas por dois momentos levou sustos da equipe da Zona Oeste. Loco Abreu, que na quarta-feira viu do banco de reservas o time ficar no 0 a 0 com o Guarani, pela Copa do Brasil, voltou a ser titular ontem e fez três gols. Mais uma vez, o uruguaio desperdiçou um pênalti - o sexto nos últimos sete batidos por ele -, mas saiu cheio de crédito com a galera.

"Vou tentar mandar a bola do jogo para o Uruguai. Meu pai me disse que eu faria três gols", disse Loco Abreu.

A tática banguense era clara: primeiro se defender para partir no contra-ataque. Dono do jogo, o Fogão não transformava o domínio em gol. Primeiro, Fellype Gabriel não soube aproveitar cruzamento de Lucas, da direita, e mandou para fora. A melhor chance do Bangu nasceu com Thiago Galhardo, que tabelou com Renan e concluiu para fora, aos 19.Mas, de tanto tentar, o Botafogo chegou lá aos 39: Andrezinho bateu escanteio, Marcelo Mattos desviou e Loco fez 1 a 0.

Na segunda etapa, o Botafogo mostrou aplicação: logo aos 2 minutos, Andrezinho bateu falta, Loco se antecipou ao goleiro e ampliou. O que parecia fácil se complicou cinco minutos depois, quando Lucas tentou cortar cruzamento da direita e marcou contra, diminuindo a vantagem alvinegra. Aos 14, contudo, Maicosuel cruzou na cabeça do uruguaio, que marcou o terceiro e enlouqueceu a torcida.

O Bangu tentou novamente estragar a festa e, em falha bisonha de Jefferson, Sérgio Júnior diminuiu. O Glorioso foi para cima e conseguiu um pênalti duvidoso, sofrido por Lucas, aos 34, que Abreu mandou para fora. Aos 46, Márcio Azevedo puxou contra-ataque e deu o gol para Maicosuel, que tocou na saída de Willian Alves, fechando o caixão.

 



© Copyright Editora O DIA S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O DIA.